Grupo de estudantes do secundário cria app para mostrar estado de ocupação das praias

Depois de na passada semana terem sido apresentadas as regras de utilização aquando da abertura das praias a 6 de Junho, assim como a indicação da utilização da app InfoPraias para o utilizador consultar a informação sobre o estado de ocupação das mesmas, eis que um grupo de estudantes do ensino secundário residentes em São João da Madeira criaram em apenas quatro dias uma aplicação que permitirá a utilizadores de 580 praias nacionais indicar os níveis de ocupação do areal, facilitando decisões a quem estiver em casa.

O projecto foi desenvolvido na Escola Secundária Serafim Leite, no referido concelho do distrito de Aveiro, e foi concretizado pelos alunos Bruno Dylan, Diogo Resende, Jorge Correia e Nuno Castro, do 12.º ano do curso técnico-profissional de Programação.

A coordenação do trabalho coube à professora Fátima Pais, que explica que todas as etapas de concepção da aplicação foram feitas remotamente, uma vez que os alunos estiveram em casa com aulas à distância, e realça que o projecto foi concluído em tempo recorde, dado “o entusiasmo dos miúdos e uma dedicação incrível, que chegou a ser de 14 horas por dia“.

Na base de tudo está o trabalho de pesquisa e georreferenciação de todas as praias marítimas e fluviais do país, com nome, localização por concelho e distrito, indicação de latitude e longitude, temperatura e velocidade do vento“, revela Fátima Pais, referindo que esse mapa abrange toda a costa continental e também a dos arquipélagos dos Açores e Madeira.

Com o nome SandSpace, a informação indicada na app depende do contributo de quem estiver nos areais porque serão os utilizadores de cada espaço balnear a fornecer os dados sobre o estado de ocupação de cada praia, com a app a processar esses dados e convertendo-os num indicador gráfico em que o verde significa pouca densidade, o amarelo indica um número já considerável de banhistas e o vermelho traduz uma lotação limite. Este sistema de cores reflectirá a média de ocupação dos últimos 120 minutos e exibirá também qual o número de utilizadores que contribuiu para essa mesma média. Se o sinal for amarelo em resultado de 50 contributos, por exemplo, o aplicativo indica a que hora surgiram as indicações de praia verde e em que momento apareceram os dados de lotação vermelha, para que fique claro como essa densidade balnear evoluiu nas últimas duas horas.

A app indicará ainda a lista das restrições legais impostas pela pandemia do Covid-19 à presente época balnear, para que os utilizadores conheçam as restrições sanitárias em causa e sejam sensibilizados para o cumprimento das regras de distanciamento e etiqueta higiénica.

É um projecto na lógica do ‘crowd power’ [poder da multidão] e, além de ajudar a população a evitar viagens desnecessárias à praia, também permite que os alunos envolvidos no projecto desenvolvam ainda mais as suas competências técnicas e contribuam para a sociedade com um serviço de utilidade realmente pública“, conclui Fátima Pais.

Já em processo de avaliação na Google, que, no contexto actual da pandemia de Covid-19, requer a validação do software por autoridades nacionais para garantia de que esse não viola direitos individuais, a SandSpace deverá estar em breve disponível para download para equipamentos Android.

Partilhe este artigo:

por Paulo Miranda

Fundador do projecto Foneplay, desde muito cedo entusiasta pela tecnologia, tendo acompanhado toda a evolução da internet e telemóveis. Trabalha nesta área há muitos anos sendo fã de jogos e de todos os assuntos relacionados com as telecomunicações móveis. Facebook | LinkedIn

Ver todos os posts de Paulo Miranda →

Deixe uma resposta

Os comentários, que são moderados antes de serem publicados, são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. A Foneplay reserva-se no direito de excluir comentários que achar não serem adequados.