Tomb Raider celebra 25 anos do lançamento do primeiro jogo da série

Foi a 25 de Outubro de 1996 que o jogo Tomb Raider foi lançado para a SEGA Saturn na Europa, cerca de um mês antes de ter sido disponibilizado para as restantes plataformas, PC e Playstation. O jogo deu a conhecer ao mundo o ícone Lara Croft, que 25 anos depois ainda conquista o mundo dos jogos. Segundo a Square Enix, a franquia já vendeu mais 84 milhões de cópias dos diversos jogos nas mais variadas plataformas. Neste um quarto de século, a série contou com 19 jogos e três filmes.

Quem é Lara Croft?

Lara foi pensada, desenhada e concebida à imagem e semelhança do incontornável Indiana Jones, o arquétipo do herói aventureiro. Tal como ele, Lara é inteligente, conhecedora do mundo, é uma personagem abnegada, não busca fama nem fortuna, também é arqueóloga, mas enquanto Indy é um mero funcionário público, um professor, Lara é podre de rica e tem sangue azul. O seu criador, o designer, Toby Gard, optou por uma personagem feminina ao reparar na atenção e preferência que os seus colegas demonstravam pelas lutadoras do Virtua Fighter.

Ainda no “ventre” de Toby, Lara era uma jovem sul-americana chamada Laura Cruz, e seria um cruzamento entre as personagens Indiana Jones e Tank Girl, uma (anti-)heroína da BD alternativa, aos quais ainda se juntava um visual semelhante ao da cantora Neneh Cherry. Porém, quando veio ao mundo, em 1996, a latina foi substituída por uma inglesa chamada Lara Croft Mandy DeMonay, embora só use os dois primeiros nomes.

Apesar de ter nascido em berço de ouro, a 14 de Fevereiro de 1968 em Wimbledom, Lara teve uma infância atribulada. Aos 9 anos sobreviveu a um acidente de avião na cordilheira dos Himalaias, onde a mãe, a Lady Elizabeth Croft, é dada como desaparecida. A então pequena Lara teve de caminhar durante 10 dias para chegar à civilização, em Katmandu. O resto da infância e adolescência foi passado na companhia do seu pai, o arqueólogo Richard Croft, Conde de Abbingdon. Aos 18 anos abate-se outra tragédia sobre a heroína quando o seu pai falece.

Lara herda a mansão e a fortuna da família e adquire o título de condessa de Abbingdon. Concluídos os estudos, a menina Croft segue as pisadas do pai ao atravessar o globo em busca de sítios arqueológicos, cidades míticas, tesouros escondidos e objectos mágicos. Torna-se a Lara que toda a gente conhece de Tomb Raider!

Esta é uma versão da sua história. Algumas revistas de banda desenhada, os filmes e até mesmo os vários episódios de Tomb Raider, alteraram um ou outro pormenor, incluindo físico – já que as medidas de Lara Croft têm sofrido mudanças – a seu bel-prazer.

Imagens de marca

Porte atlético, olhos e cabelo castanho, normalmente apanhado em trança ou rabo-de-cavalo, T-shirt ou top justíssimo ao corpo, pequenos calções castanhos, botas de cano alto, meias brancas, mochila leve e cinto de utilidades com dois coldres, para as suas duas pistolas. Este é o visual mais comum de Lara Croft – é único! – no entanto, a personagem, tal como os jogos Tomb Raider, está em permanente evolução. As suas curvas actuais são mais suaves, com bastantes mais polígonos e por isso mais próxima da realidade, da figura humana. O guarda-roupa e os acessórios não pararam de crescer, com fato de mergulho, colete, mais armas, etc., e a forma com que interage com o cenário evoluiu a olhos vistos. Corre, salta, dá cambalhotas, apanha e atira objectos, acciona mecanismos, agarra-se às extremidades de muros/plataformas, agacha-se, nada, luta, faz “trinta por uma linha” com bastante fluidez.

A descrição anterior resume o estilo de jogo protagonizado por Lara Croft, a série Tomb Raider. Trata-se de uma amálgama entre os géneros aventura e plataforma, bastante próximo, a título de exemplo, do Prince of Persia, mas num ambiente tridimensional. O jogador conduz a protagonista por labirintos, salas e corredores, há numerosas sequências de acção que exigem precisão de movimentos, e enigmas que têm de ser resolvidos para que Lara progrida na aventura. São vários os jogos que, com mais ou menos pormenor, propõem o mesmo tipo de desafio, como Uncharted ou Assassins Creed, mas Tomb Raider foi pioneiro e muito do que vimos actualmente deve-se a este clássico.

A Lara é Joli(e)

Actualmente, as sinapses de muitos jogadores associam a personagem virtual à Angelina Jolie, alguns (mais novos) até poderão pensar que a aventureira foi inspirada nesta actriz norte-americana, no entanto, como os jogadores da “velha guarda” ou conhecedores da saga Tomb Raider bem sabem, esta ligação é muito pontual. Angelina só lhe vestiu a pele em 2001 e 2003 para os filmes Tomb Raider e Tomb Raider: O Berço da Vida, respectivamente. Antes e depois disso, foram várias as modelos e actrizes de carne e osso que encarnaram Lara e inspiraram os criadores dos videojogos. Aliás, o mais recente filme da heroína é protagonizado por outra actriz, Alicia Vikander.

Lara em todo o lado

Há muito que Lara Croft saiu do videojogo Tomb Raider para se aventurar noutras áreas. Os filmes protagonizados pela Angelina Jolie são provavelmente o produto mais bem-sucedido, mas o filão não se esgota aí. Lara apareceu em vários anúncios comerciais para a bebida Lucozade.

E ainda para a marca de automóveis SEAT, para o cartão de crédito VISA e também para o canal de televisão G4. Já por diversas ocasiões foi capa de revista e teve uma participação especial na tourneé PopMart dos U2.

Estranho, estranho foi ter sido homenageada e tema de uma canção pelo autor italiano Eugeino Finardi. A música “Amami Lara” (Ama-me Lara) foi apresentada em 1999 no conhecido festival de Sanremo.

O Guiness Book reconheceu Lara Croft como “a Melhor Aventureira Heroína do Mundo dos videojogos mais bem sucedida” em 2006.

Tirando isto, Lara teve o percurso normal de um ícone pop. As suas aventuras foram adaptadas à banda desenhada, também com grande aceitação, pela editora Top Cow. Fabricaram-se bonecos, roupas para crianças e adultos, porta-chaves, canetas, calendários, posters, escreveram-se romances, houve uma série de animação, enfim, toda a parafernália possível e imaginária, e sempre que é lançado um novo episódio de Tomb Raider, esta máquina bem oleada de fazer dinheiro é posta em acção.

Tomb Raider marcou várias presenças no mundo dos jogos para smartphones, desde os tempos dos jogos em Java. Os dois primeiros jogos da franquia também tiveram versões para Android e iOS, não estando de momento mais disponíveis para download. De momento, existem dois jogos disponíveis para smartphones, com um novo em desenvolvimento que chegará em 2022.

Como este artigo já vai longo, deixamos este assunto para uma publicação futura.

Parabéns Tomb Raider!

Partilhe este artigo:

por Paulo Miranda

Fundador do projecto Foneplay, desde muito cedo entusiasta pela tecnologia, tendo acompanhado toda a evolução da internet e telemóveis. Trabalha nesta área há muitos anos sendo fã de jogos e de todos os assuntos relacionados com as telecomunicações móveis. Facebook | LinkedIn

Ver todos os posts de Paulo Miranda →

Deixe uma resposta

Os comentários, que são moderados antes de serem publicados, são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. A Foneplay reserva-se no direito de excluir comentários que achar não serem adequados.