Retroespectiva 2020: como foi o ano para os jogos para smartphones

O ano de 2020 foi totalmente atípico e inesperado, com o planeta a ser fustigado por uma pandemia mundial que, durante vários meses, colocou grande parte da população mundial em confinamento nas suas casas. Isto teve um enorme impacto na economia assim como na vida quotidiana das pessoas. Com a sua liberdade algo limitada, as pessoas procuraram encontrar algo para entreter e estar em contacto com os outros. E, embora muitos sectores da economia fossem gravemente afectados, como o turismo e a aviação, a área dos videojogos teve exactamente o oposto, o melhor anos de sempre, com especial destaque para o segmento dos jogos para smartphones.

Segundo dados na Newzoo referentes a Outubro, com excepção dos jogos para PC online, todos os segmentos da indústria dos videojogos teve um incremento das receitas, com especial destaque para o mobile com um aumento de 25,6% em relação a 2019, o que faz com que valha, practicamente, 50% do total das receitas do sector. Destaque também para o segmento das consolas, que, com o lançamento das consolas de última geração, teve também um excelente incremento de 21%, embora, ao contrário de todos os outros, este valor inclua a componente de hardware.

Como foi o ano para o segmento dos jogos para smartphones?

Segundo dados da Sensor Tower, as receitas das apps para Android e iOS ascenderam aos 111 mil milhões de dólares, um aumento de 30% em relação a 2019. Os jogos são responsáveis por 79,5 mil milhões de dólares, um aumento de 26% em relação a 2019 e representando 71,7% das receitas totais de apps para smartphones. Os jogos representam a maior parte das receitas em ambas as lojas de aplicações, com uma quota de 65,8% das receitas da App Store e 82,6% das receitas da Google Play.

Os gastos do consumidor global em jogos móveis cresceram 26%, para US $ 79,5 bilhões em 2020.

A App Store gerou 47,6 mil milhões de dólares de receitas em jogos, um aumento de 25,3% em relação a 2019. Arena of Valor, nome internacional de Honor of Kings da Tencent, foi o jogo que mais receita gerou para iOS, cerca de 2,5 mil milhões de dólares, mais 47% que no ano passado. Os jogos da Google Play registaram quase 32 mil milhões de dólares em receitas, um aumento de 27% em relação ao ano anterior. O jogo que gerou mais receita para Android foi Coin Master, que teve um aumento de receitas de cerca de 122% atingindo os 799 milhões de dólares.

Os jogos para celular mais lucrativos de 2020.

No entanto, em termos globais, o jogo que registou o maior volume de receitas em 2020 foi PUBG Mobile que arrecadou 2,6 mil milhões de dólares, colocando o battle royale como um dos cinco jogos que ultrapassaram a marca dos mil milhões de dólares em receitas ao longo de 2020.

No capitulo dos downloads, ambas as lojas somadas registaram 56,2 mil milhões de downloads de jogos em 2020, um aumento de quase 33%. Aproximadamente 82% dos downloads de jogos, ou um pouco mais de 46 mil milhões, foram feitos na Google Play, o que representou um aumento de 39,3%.

Os downloads mundiais de jogos para celular cresceram quase 33%, para 56,2 bilhões em 2020.

Among Us foi o jogo com mais downloads no mobile, tendo registado cerca de 264 milhões de downloads em ambas as lojas de aplicações.

Principais jogos para celular de 2020 por downloads.

E na Europa, como foi?

Olhando apenas para a Europa, os jogos para smartphones geraram 9,6 mil milhões de dólares, um aumento de 28% em relação ao ano passado. No total, os jogos representaram 64,8% de toda a receita de aplicações móveis na Europa, menos quase 2% que em 2019 uma vez que categorias como Entretenimento e Redes Sociais tiveram grandes crescimentos durante o ano que findou. Globalmente, as receitas geradas pelos jogadores europeus em jogos representaram, aproximadamente, 12% do mercado global de jogos móveis.

Enquanto a nível global a App Store gera mais receita em jogos que a Google Play, na Europa é ao contrário, com a Google Play a representa 5,4 mil milhões de dólares, um aumento de 28,6%, enquanto que a App Store gerou cerca de 4,2 mil milhões, um aumento de 27,3%. No geral, a Google Play representa 56,3 % da receita total de jogos na Europa, enquanto que a App Store representa 43,7%.

European Consumer Spending in Mobile Games for 2020

Os downloads de jogos para smartphones na Europa aumentou 20,2% para 12,5 mil milhões em 2020. Downloads na Google Play aumentaram 23,2%, enquanto que na App Store cresceram mais de 9%. No geral, a Google Play responde por aproximadamente 81% do total de downloads de jogos na Europa no ano passado, enquanto que a App Store representa 19%.

Downloads de jogos europeus para celular em 2020

Coin Master continuou a sua ascensão meteórica em 2020 e liderou o top de receitas em ambas as lojas, registando 398,2 milhões de dólares. Segundo a Sensor Tower, o título cujas receitas mais cresceram na Europa foi State of Survival da FunPlus, que viu as receitas crescerem quase 23 vezes para 165 milhões de dólares. 

Principais jogos para celular por receita europeia em 2020

Em relação aos downloads, Among Us foi o jogo mais descarregado na Europa, com 64,7 milhões de downloads em 2020, um aumento de 50 vezes em relação aos números do ano anterior. Registar que dos 10 jogos mais descarregados apenas dois são títulos hiper-casuais.

Principais jogos para celular por downloads europeus para 2020

Maiores novidades de 2020

Talvez por culpa da pandemia, houve alguma estagnação em avanços tecnológicos e lançamentos de novas serviços e funcionalidades. Por isso, não existiram grande novidades no sector dos jogos para smartphones em 2020. A principal novidade pode ter sido a estreia dos serviços de cloud gaming nos smartphones, mais concretamente no Android porque a Apple acabou por retirar as respectivas apps da App Store.

O Stadia, da Google, o Xbox Game Pass, da Microsoft, e o Luna, da Amazon, têm suporte para equipamentos Android, trazendo alguns excelentes títulos das consolas e PC para a palma das nossas mãos, muitos deles com controlos tácteis, não sendo dessa forma necessário qualquer controlo adicional para jogar.

Ainda em relação à disponibilização destes serviços na App Store, podemos antever que será algo que deverá acontecer durante 2021, estando já o Stadia, com os restantes a seguirem a mesma fórmula, a disponibilizar o serviço para iOS através do browser dos equipamentos via uma web app.

Outro acontecimento que marcou o ano foi a guerra de algumas editoras, com especial destaque para a Epic Games, contra a Apple e, o que dizem, a injusta repartição das receitas dos jogos e apps existentes na App Store. A Epic reclama uma partilha mais justa, tendo inclusive colocado a Apple em tribunal, com o julgamento que ocorrerá durante este ano e dará muito que falar com certeza. Esta acção da Epic acabou por levar à remoção do popular Fortnite da App Store, mas também da Google Play pelas mesmas razões.

A Apple, talvez movida por estas questões, acabou por lançar uma iniciativa para alterar as suas regras de repartição de receitas, diminuindo de 30% para 15% a sua parte nos jogos e apps que registassem menos de um milhão de dólares de receita anual. No entanto, as opiniões dividem-se sobre tratar-se de uma mera operação de charme para seduzir a opinião pública ou ter sido uma acção para apoiar os pequenos programadores. No entanto, segundo um estudo da Sensor Tower, os programadores cujas receitas dos seus jogos são inferiores a um milhão de dólares correspondem a apenas 2% da fatia total das receitas de jogos da App Store.

Assim foi o ano de 2020 no sector dos jogos para smartphones. Ao contrário de muitos outros sectores foi um ano em grande, com incríveis incrementos de receitas e downloads, cimentando os jogos mobile como o principal segmento do mercado dos videojogos. Espero não ter faltado referir alguma situação que achem ter sido importante, podendo deixar as vossas opiniões na zona dos comentários.

2021 não deverá ter um incremento igual ao do ano passado, mas aguarda-se que o mercado dos jogos, e em especial, dos jogos mobile, continue a crescer.

Partilhe este artigo:

por Paulo Miranda

Fundador do projecto Foneplay, desde muito cedo entusiasta pela tecnologia, tendo acompanhado toda a evolução da internet e telemóveis. Trabalha nesta área há muitos anos sendo fã de jogos e de todos os assuntos relacionados com as telecomunicações móveis. Facebook | LinkedIn

Ver todos os posts de Paulo Miranda →

Deixe uma resposta

Os comentários, que são moderados antes de serem publicados, são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. A Foneplay reserva-se no direito de excluir comentários que achar não serem adequados.