Pode parecer estranho, mas 2020 é já o melhor ano em receitas de Pokémon GO

Por incrível que possa parecer, afinal este tem sido um ano muito diferente do normal e onde o confinamento em casa tem sido algo muito adoptado, o jogo Pokémon GO teve em 2020 o seu melhor ano de sempre em termos de receitas ao gerar cerca de mil milhões de dólares apenas nos primeiros 10 meses do ano, segundo as estimativas da empresa de análise de dados Sensor Tower.

Lançado em Julho de 2016, Pokémon GO tem na sua jogabilidade baseada em localização o seu ponto forte e diferenciador, tendo atraindo a atenção do público e gerado mais de 832 milhões de receitas até o final daquele ano. Embora já com quatro anos, as receitas do jogo da Niantic têm vindo a aumentar ao longo dos últimos anos, com 2020 a representar o melhor ano de sempre. Os jogadores gastaram mais 11% este ano do que em todo o ano passado e 30% mais do que nos primeiros 10 meses de 2019.

O grande sucesso do título vem à medida que os downloads e as receitas dos jogos para smartphones aumentaram acentuadamente este ano devido à pandemia global de COVID-19 e aos confinamentos. O sucesso do Pokémon GO é impressionante e deve-se à implementação de novos recursos pensados para melhorar a experiência de jogo em casa, o que significa que os jogadores ainda podem desfrutar do jogo baseado em localização sem depender do que antes fazia parte da sua funcionalidade principal – caminhar ao ar livre. Ao mesmo tempo, alguns jogadores, adoptando o distanciamento físico, estão a experimentar o jogo como uma forma de se aventurarem com segurança ao ar livre e se manterem-se activos durante este tempo.

Gastos de usuários do Pokémon GO no mundo todo por ano de 2016 a 2020

Nos primeiros 10 meses de 2020, Pokémon GO foi classificado como o terceiro melhor jogo para smartphones em termos de receitas, estando ainda assim atrás de PUBG Mobile da Tencent, que lidera o top de receitas, e Honor of Kings que está no segundo lugar.

Até o momento, Pokémon GO já acumulou cerca de 4,2 mil milhões de dólares em receitas desde o seu lançamento. Os EUA são o mercado mais lucrativo, com receitas de 1,5 mil milhões, ou 36,3% do total. Segue-se o Japão, com 31,3%, enquanto a Alemanha ocupa a terceira posição com 5,7% das receitas totais.

A Google Play Store responde pela maior parte das receitas do jogo, cerca de 53,4% do total, enquanto que a App Store tem um peso de 46,6%. Quanto ais downloads, Pokémon GO gerou quase 600 milhões de instalações em todo o mundo até o momento. Os EUA estão em primeiro lugar, acumulando 109 milhões de instalações, ou 18,2% do total, seguidos pelo Brasil com 65,2 milhões de downloads, ou cerca de 11%, e o México está em terceiro lugar, com 37,3 milhões, ou 6,2%.

Tal como acontece com as receitas, a Google Play é responsável pela maioria dos downloads, captando cerca de 466 milhões de instalações, ou 78%. A App Store, por sua vez, é responsável por aproximadamente 132 milhões de downloads, ou 22%.

Ainda a dois meses do final de 2020, Pokémon GO já alcançou o seu melhor ano de sempre ao ultrapassar os mil milhões de dólares de receitas. Este facto demonstra o poder das atualizações consistentes e eventos envolventes, o observar os fatores que podem afectar o desempenho do jogo e agir rapidamente para continuar a atrair novos e actuais jogadores.

De certa forma, Pokémon GO não deveria ter tido sucesso em 2020, mas a forma como a Niantic ajustou e adaptou o jogo às novas circunstâncias e condicionamentos deve servir como um excelente exemplo para todos.

Fonte: Sensor Tower

Partilhe este artigo:

por Paulo Miranda

Fundador do projecto Foneplay, desde muito cedo entusiasta pela tecnologia, tendo acompanhado toda a evolução da internet e telemóveis. Trabalha nesta área há muitos anos sendo fã de jogos e de todos os assuntos relacionados com as telecomunicações móveis. Facebook | LinkedIn

Ver todos os posts de Paulo Miranda →

Deixe uma resposta

Os comentários, que são moderados antes de serem publicados, são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. A Foneplay reserva-se no direito de excluir comentários que achar não serem adequados.