Faz hoje 14 anos que foi comercializado o primeiro iPhone

Faz hoje 14 anos desde o lançamento do primeiro iPhone em 29 de Junho de 2007. O smartphone da Apple revolucionou de forma inequívoca o mundos dos telemóveis. Depois de muitos meses de testes e experiências, a Apple trouxe para o mercado um equipamento com inúmeras novidades, como um ecrã táctil de grande dimensões, nada de teclados, um acelerómetro, entre muitas outras novidades.

Anunciado em 9 de Janeiro de 2007, o iPhone foi lançado no dia 29 de Junho de 2007 nos EUA, em 9 de Novembro de 2007 na Alemanha e no Reino Unido, e em 29 de Novembro na França. Em 2008 foi lançado no mercado asiático e no resto da Europa. Em Portugal, foi inicialmente comercializado pela Vodafone. Até Janeiro de 2009 foram vendidos quatro milhões de iPhones. Somente durante o fim de semana de lançamento do iPhone 3G, a Apple afirma ter vendido 1 milhão de unidades do aparelho.

O iPhone está actualmente disponível no Brasil, nos modelos SE (2020), XR, 11, 11 Pro e 11 Pro Max, tendo uma quota de mercado de cerca de 14%, assim como em Portugal cuja quota de mercado ronda os 15%.

Ao longo destes 14 anos muita coisa mudou, no próprio equipamento, nos serviços associados e, principalmente, no mercado das telecomunicações. O iPhone ganhou muitos fãs e críticos ao longo do tempo, mas inquestionavelmente mudou hábitos e criou uma revolução tecnológica.

Jobs disse-o durante a apresentação, a Apple reinventou o telemóvel, e não poderia estar mais certo.

Partilhe este artigo:

por Paulo Miranda

Fundador do projecto Foneplay, desde muito cedo entusiasta pela tecnologia, tendo acompanhado toda a evolução da internet e telemóveis. Trabalha nesta área há muitos anos sendo fã de jogos e de todos os assuntos relacionados com as telecomunicações móveis. Facebook | LinkedIn

Ver todos os posts de Paulo Miranda →

Deixe uma resposta

Os comentários, que são moderados antes de serem publicados, são da exclusiva responsabilidade dos seus autores. A Foneplay reserva-se no direito de excluir comentários que achar não serem adequados.