Como previsto, a Xiaomi apresentou ontem os seus dois smartphones Redmi K30 Pro

Como previsto, a Xiaomi apresentou ontem não um mas dois novos equipamentos, o Redmi K30 Pro e Pro Zoom, dispositivos de gama alta e que trazem um conjunto de características bastante interessantes.

Ambos os modelos suportam 5G e trazem um processador Qualcomm Snapdragon 865, com versões de 6GB ou 8GB de RAM e 128GB ou 256GB de armazenamento interno UFS 3.1. O ecrã é AMOLED FHD+ de 6.67 polegadas com uma taxa de actualização de 60 Hz, incluindo um leitor de impressões digitais. O ecrã não traz qualquer tipo de recorte ou furo uma vez que a câmara frontal de 20MP é pop-up. Em ambos os modelos a bateria é de 4700 mAh com carregamento rápido de 33W, incluindo ainda um motor háptico de vibração, WiFi 6, NFC, infravermelhos para controlo remoto e entrada de 3,5mm para auriculares.

A diferença entre ambos os dispositivos reside na câmara de quatro sensores localizada na parte traseira numa zona circular. O K30 Pro possui um sensor principal Sony IMX686 com 64MP, acompanhado de um sensor com lente grande angular de 13MP, um com lente macro de 5MP e uma lente bokeh de 2MP. O K30 Pro Zoom tem apenas como diferença a troca da lente macro por um sensor para telefoto de 8MP que permite captar imagens com 3x de zoom óptico e 30x de zoom híbrido, daí a sua denominação Zoom.

Para já estes equipamentos estão apenas disponíveis na China, não existindo ainda qualquer indicação de quando chegarão ao ocidente. Os preços do K30 Pro começarão nos €390 na versão mais básica, indo até aos €490 na mais robusta. O custo do K30 Pro Zoom será de aproximadamente €499 para a versão base e de €525 para a versão 8GB/256GB.

Embora hoje seja já dia 25, muitos novos smartphones serão apresentados até ao final deste mês.

por Paulo Miranda

Fundador do projecto Foneplay, desde muito cedo entusiasta pela tecnologia, tendo acompanhado toda a evolução da internet e telemóveis. Trabalha nesta área há muitos anos sendo fã de jogos e de todos os assuntos relacionados com as telecomunicações móveis.

Ver todos os posts de Paulo Miranda →

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *