Science4You e Iki Mobile lançam o tablet Tab4you 6, o primeiro made in Portugal

O Natal está a chegar e a Science4You preparou uma surpresa para os seus pequenos cientistas. Trata-se do Tab4you 6, produzido pela Ikimobile, um tablet de fácil utilização e 100% Made In Portugal! O Tab4you 6 está adaptado para as diferentes funções, desde a realização de trabalhos escolares, jogar ou ver vídeos nos tempos livres ou pesquisar as experiências mais divertidas. Desta forma, potencia a criatividade e a diversão de aprender.

Este tablet vem completamente preparado para o seu público alvo, as crianças, com uma capa protectora que serve de suporte em diferentes posições e com uma pega ideal para facilitar o seu transporte, garantindo também que este produto seja incrivelmente resistente a quedas. Esta protecção torna o Tab4you 6 robusto, anti-choque e, portanto, um descanso para os pais.

E por falar em segurança, também o vidro deste equipamento é feito de um material diferente, garantindo maior segurança, e ainda que não se estilhaça sendo ainda mais seguro para quem o manuseia. Assim, foi adoptada a hashtag #estepodecair, representando a resistência deste tablet, embora não o torne indestrutível!

O Tab4You 6 vem equipado com o sistema operativo Android 9, um processador QuadCore de 1.5 GHz, um ecrã HD de 7 polegadas, duas câmaras – uma traseira e uma frontal, ambas com 2MP, que servirão para grande diversão dos cientistas. Em termos de memória, conta com 1 GB de RAM, 8 GB de ROM e com capacidade até 64 GB de armazenamento externo através de um cartão SD.

Desta forma, se não quer perder a oportunidade de adquirir o Tab4you 6, o primeiro tablet para crianças produzido em Portugal, pode fazê-lo pelo preço de €119,99 e proporcionar ao seu pequeno cientista diversão sem fim.

por Paulo Miranda

Fundador do projecto Foneplay, desde muito cedo entusiasta pela tecnologia, tendo acompanhado toda a evolução da internet e telemóveis. Trabalha nesta área há muitos anos sendo fã de jogos e de todos os assuntos relacionados com as telecomunicações móveis.

Ver todos os posts de Paulo Miranda →