Disputa com a Google continua, Aptoide lança nova campanha

A guerra entre a Aptoide e a Google parece não ter fim, embora no passado mês de Outubro um tribunal tenha decidido que a Google devia parar de marca como inseguro e remover automaticamente a loja de aplicações portuguesa dos smartphones. No entanto, a Google continua a marcar a loja alternativa como insegura, situação tem tido um forte impacto na loja portuguesa., Segundo o CEO Paulo Trezentos, o número de utilizadores activos anuais caiu de 222 milhões em 2018 para 56 milhões em Maio deste ano.

Continuando a sua luta pelo desbloqueio e remoção da aplicação como maliciosa pelo Google Play Protect, a Aptoide lançou uma campanha sob o slogan “Joga limpo” que tem um site onde apresenta o problema e explicação a posição da empresa. Entre as razões indicadas está a liberdade dos utilizadores poderem escolher a loja preferida de aplicações, por exemplo.

A Aptoide afirma que o Google continua a detectar a sua loja como uma aplicação malicioso, e quando isso acontece, a Google oferece duas opções: mantê-la ou removê-la. O problema é que, mesmo que se opte por manter a aplicação Aptoide, não é possível instalar aplicações da mesma, a menos que se vá manualmente às configurações do Google Play Protect desabilitar completamente a análise do Google Play Protect, o que irá expor o equipamento a outras possíveis ameaças.

A Aptoide diz que a sua aplicação é segura de acordo com o estudo de uma universidade japonesa e do Virus Total, embora o problema aqui não seja tanto a aplicação em si mas as aplicações que a loja portuguesa disponibiliza. Para Paulo Trezentos, é claro que a Google está a utilizar o seu controlo sobre o sistema operativo para bloquear a concorrência, o que prejudica tanto os utilizadores, que assim não podem escolher a sua loja preferida, quanto os programadores e editores das apps, que com a Aptoide têm apenas que dar 10% das suas receitas enquanto que com a Google esse valor é de 30%.

Parece que esta guerra ainda irá durar…

por Paulo Miranda

Fundador do projecto Foneplay, desde muito cedo entusiasta pela tecnologia, tendo acompanhado toda a evolução da internet e telemóveis. Trabalha nesta área há muitos anos sendo fã de jogos e de todos os assuntos relacionados com as telecomunicações móveis.

Ver todos os posts de Paulo Miranda →